Conflitos e resistência no Paraná

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

NOTA PÚBLICA DA CLACSO

NOTA PÚBLICA DA CLACSO

COMUNICADO A LA OPINIÓN PÚBLICA 

El Grupo de Trabajo del Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales – CLACSO: Estudios Críticos del Desarrollo Rural denunciamos ante la opinión pública, nacional e internacional, los hechos de violencia, amenazas y persecución de los que ha sido víctima la defensora de derechos humanos Irma Lemus Amaya, su familia y su organización Observatorio Permanente de Derechos Humanos en el Aguán (OPDHA)1 
El día 10 de octubre de 2017, su primo Cesario Lemus Amaya, desapareció de su lugar de residencia, sin dar previo aviso, e inmediatamente se iniciaron labores de búsqueda. El día 13 de octubre de 2017, la Policía Preventiva informó que había hallado algunos cuerpos de personas asesinadas en la región y procedería al respectivo proceso de levantamiento de cadáveres, dentro de los cuales se logró identificar al señor Cesario Lemus Amaya.
 En estos momentos, nuestra compañera Irma junto con su familia se desplazan hacia la ciudad de Tegucigalpa a fin de conocer mayores detalles y reclamar la acción de la justicia. Los actos de persecución y ostigamiento sobre el PODHA han sido permanentes y hoy cobran la vida de familiares cercanos, sin que el estado y sus instituciones realicen su labor deprecautelar la vida e integridad de los defensores de derechos humanos. 
Consideramos que este hecho no puede quedar en la impunidad o tratarse como un hecho aislado en Honduras, sino que es parte de una dinámica o lógica conservadora que se instala en la región y el continente. 
Por lo anterior, el Grupo de Trabajo: Estudios Críticos del Desarrollo Rural expresamos total apoyo y respaldo a la labor del OPDHA y sus defensoras, extendiendo  nuestra más sincera solidaridad para con sus compañeros y familia frente a esta dolorosa noticia.
 Además, exigimos al Estado de Honduras la mayor celeridad en las investigaciones que permitan esclarecer lo sucedido, así como identificar, juzgar y sancionar a los responsables, de acuerdo a sus obligaciones internacionales en materia de derechos humanos. 

Nuestra América, 15 de octubre de 2017.

 A título institucional 
Associação Brasileira de Reforma Agrária (ABRA) – Brasil
 Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social – México
 Colectiva Agraria Abya Yala - Colombia Fundación Tejidos del Viento - Colombia
 Grupo de Estudos Terra-Território - Brasil
 Grupo de Pesquisa Estado, Capital, Trabalho e as Políticas Territoriais (GEPECT) - Brasil
 Instituto de Estudios Ecuatorianos - Ecuador
 Observatório sobre a questão Agrária no Paraná – Brasil
 Rede Sergipana de Agroecologia - Brasil

 A título personal
 Adiclécia Lima Borges (Brasil)
 Adriana del Valle Rodríguez (Secretaría de DDHH., Provincia del Chaco – Argentina)
 Alex Valentin de Melo (Brasil) 
Amaru Ruiz Aleman (Fundación del Río Nicaragua – Nicaragua)
Angélica Pineda-Silva (Colombia) 
Beatriz Medeiros de Melo (Instituto Federal de Alagoas, campus Viçosa – Brasil)
Bernardo Mançano Fernandes (Cátedra UNESCO de Educação e Desenvolvimento Territorial – Brasil) 
Carlos A. Rodríguez Wallenius (Maestría en Sociedades Sustentables y Posgrado en Desarrollo Rural – México)
Carlos Pástor Pazmiño (Universidad Andina Simon Bolivar - Ecuador) Carlos Vacaflores (Comunidad de Estudios Jaina – Bolívia)
Carolina Velez (Universidad Nacional de Córdoba – Argentina)
Cátia dos Santos Fontes (Brasil)
Chirle Daniele da Côroa Almeida (Brasil)
Christiane Senhorinha Soares Campos (Universidade Federal de Sergipe – Brasil)
Claudia Pilar Lizárraga (Comunidad de Estudios Jaina – Bolívia)
Clifford Andrew Welch (UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo - Brasil)
David Luna (Grupo de Investigación sobre Conflictos Sociales (GrICSo). UNNE. Chaco - Argentina) 
Débora Lima (Departamento de Geografia, Universidade de Campinas – Brasil)
Edgars Martínez Navarrete CIESAS-DF (México)
Elaine Cristine Rodrigues Soares (Brasil)
Elienaide Cardoso da Flores (Brasil)
Eliud Torres (Doctorante de la decima generación del Posgrado de Desarrollo Rural, UAM – Xochimilco – México)
Elza Guzmán Gómez (México)
Eraldo da Silva Ramos Filho (Universidade Federal de Sergipe – Brasil)
Esteban Daza (Instituto de Estudios Ecuatorianos, Observatorio de Cambio Rural – Ecuador)
Fabiana dos Santos Pinheiro (Brasil)
Fernando Eguren (Centro Peruano de Estudios Sociales, CEPES – Peru) 
Flor Edilma Osorio (Colombia)
Florisvaldo Silva Rocha (Universidade Federal de Sergipe – Brasil) 
Gabriel Tobón (Grupo de Investigación "Conflicto, región y sociedades rurales del Universidad Javeriana – Colombia) 
Graciela Mandolini (Universidad Nacional de Rosario/ AMSAFE- CTERA – Argentina)
Hilda Regina Oliveira França (Brasil) 
Irma Lorena Acosta Reveles (Universidad Autónoma de Zacatecas – México)
Isabel Salcedo (Instituto de Estudios Ecuatorianos, Observatorio de Cambio Rural – Ecuador)
Jorge Edson Santos (Movimento dos Trabalhores Organizados Urbanos – Brasil)
Jorge Enrique Montalván Rabanal (Brasil)
Jorge Montenegro (Universidad Federal do Paraná – Brasil)
José Antonio Mora Calderón (Programa Kioscos Socioambientales, Universidad de Costa Rica – Costa Rica)
Juan Guillermo Ferro (Observatorio de Territorios Étnicos y Campesinos de La Universidad Javeriana – Colombia)
Juan Wahren (Universidad de Buenos Aires/CONICET – Argentina) 
Laysa da Hora Santos (Brasil) Leonardo Sacramento Santos (Brasil) 
Luciano Concheiro (Universidad Autónoma Metropolitana, Unidad Xochimilco – México) 
Malely Linares Sánchez Colombia (UNAM México) 
Manuel Mera Cedeño (Santa Elena, estudiante de FLACSO – Ecuador) 
Mario Enrique Sosa Velázquez (Guatelama) 
Maritza Islas Vargas (UNAM - México-) 
Miguel Teubal (Universidad de Buenos Aires – Argentina) 
Natalia Espinosa Rincón (Universidad Javeriana – Colombia) 
Nayeli Moctezuma Pérez (UNAM – México) 
Olga Lucía Méndez (Universidad Nacional de Colombia – México) 
Oscar Soto (UNCuyo – Argentina) 
Osvaldo Aly Júnior (Associação Brasileira de Reforma Agrária - Brasil) 
Pablo Sigüenza Ramírez (Universidad Autónoma Metropolitana, Unidad Xochimilco – México) 
Priscila de Souza Viana (Brasil) 
Ram Sashi Duarte Dória (Brasil) 
Ronny Roma Ardón, Guatemala (UAM—Xochimilco México) 
Rosa Ballesteros (Tierra Libre – Colombia) 
Rosana de Oliveira Santos Batista (Universidade Federal de Sergipe – Brasil) 
Sergio Elías Uribe Doctorante de la decima generación del Posgrado de Desarrollo Rural, UAM – Xochimilco – México) 
Sirley Ferreira dos Santos (Movimento de Mulheres Camponesas – Brasil) 
Sneither Cifuentes (Colectiva Agraria Abya Yala – Colombia) 
Stalin Herrera (Ecuador) 
Stalin Herrera (Instituto de Estudios Ecuatorianos, Observatorio de Cambio Rural – Ecuador) 
Susana Carmona Castillo (Universidad de Los Andes – Colombia) 
Teresa Isabel Villalobos Nivón (Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social – México) 
Ticiane Pereira dos Santos Vieira (Brasil) 
Valeria de Pina (UNAM/UACH - México) 
Vanessa Sosa López Universidad Autónoma Metropolitana, Unidad Xochimilco – México) 
Wendy Castañeda Abad (Facultad de Geografia de la Universidad de La Habana, Universidad Autónoma San Luis Potosí UASLP - Cuba) 
Yasmin Adriane Mendonça Rocha (Brasil)



1 El OPDHA es una coalición de organizaciones de base campesinas conformada en el año 2011 cuya misión es hacer un monitoreo continuo del escenario de conflicto generado en la zona producto del impulso estatal para estimular la agro exportación en detrimento del derecho a la alimentación y a una vivienda adecuada de la población campesina. Su accionar consiste en investigar violaciones de derechos humanos, canalizar denuncias y monitorear su trámite; así como brindar acompañamiento a las víctimas, en su búsqueda de acceso a la justicia.


terça-feira, 17 de outubro de 2017

NOTA PÚBLICA: NOVA PORTARIA DO MINISTRO DO TRABALHO "ACABA" COM TRABALHO ESCRAVO

 
Quatro dias depois de defenestrar o chefe do combate nacional ao trabalho escravo (André Roston, chefe da DETRAE), o Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, publica no Diário Oficial da União de hoje, 16/10/2017, Portaria de sua autoria (n° 1129 de 13/10/2017) que, literalmente “acaba” com o trabalho escravo no Brasil.

A Portaria, numa canetada só, elimina os principais entraves ao livre exercício do trabalho escravo contemporâneo tais quais estabelecidos por leis, normas e portarias anteriores, ficando como saldo final o seguinte:

Flagrante de trabalho escravo só poderá acontecer doravante se – e unicamente se – houver constatação do impedimento de ir e vir imposto ao trabalhador, em ambiente de coação, ameaça, violência. 

Para conseguir este resultado – há muito tempo tentado pela via legislativa, mas ainda sem o sucesso exigido pelos lobbies escravagistas – bastou distorcer o sentido de expressões e termos há muito tempo consagrados na prática da inspeção do trabalho e na jurisprudência dos tribunais. 

Exemplificando, no lugar de ser simplesmente eliminadas dos qualificadores do trabalho escravo contemporâneo, a jornada exaustiva e as condições degradantes recebem na nova Portaria uma esdrúxula reformulação assim redigida:
  • Jornada exaustiva: "submissão do trabalhador, contra a sua vontade e com privação do direito de ir e vir, a trabalho fora dos ditames legais".
  • Condição degradante: "caracterizada por atos comissivos de violação dos direitos fundamentais da pessoa do trabalhador, consubstanciados no cerceamento da liberdade de ir e vir... e que impliquem na privação de sua dignidade".
  • Condição análoga à de escravo: “trabalho sob ameaça de punição, com uso de coação”; “cerceamento de qualquer meio de transporte”; “manutenção de segurança armada com o fim de reter o trabalhador em razão de dívida contraída”.

Simultaneamente impõe-se aos auditores fiscais do trabalho um elenco de exigências e rotinas visando a tornar, no mínimo, improvável o andamento administrativo dos autos de infração que eles se atreverem a lavrar ao se depararem com situações de trabalho análogo à de escravo. Óbvio, esse engessamento tem um endereço certo: inviabilizar a inclusão de eventual escravagista na Lista Suja, ela também re-triturada pela caneta do Ministro e sua divulgação doravante sujeita à sua exclusiva avaliação.

Na oportunidade estabelece a Portaria que os autos de infração relacionados a flagrante de trabalho escravo só terão validade se juntado um boletim de ocorrência lavrado por autoridade policial que tenha participado da fiscalização, condicionando assim a constatação de trabalho escravo, atualmente competência exclusiva dos fiscais do trabalho, à anuência de policiais.

Sem consulta nenhuma ao Ministério dos Direitos Humanos, outro signatário da Portaria Interministerial MTPS/MMIRDH n°4 de 11/05/2016, o Ministro do Trabalho rasga seus artigos 2 (al.5), 6, 7, 8, 9, 10, 11 e 12 e resolve excluir o Ministério Público do Trabalho da competência para celebrar eventual Termo de Ajuste de Conduta com empregadores em risco de serem incluídos na Lista Suja, deixando esse monopólio ao MTE em conjunção com a AGU.

É falácia a alegação subjacente à Portaria de que os empregadores alvos de flagrante por trabalho escravo estariam desprotegidos. Foi exatamente objeto da Portaria Interministerial hoje rasgada definir mecanismos transparentes e equilibrados, por sinal referendados pela própria Presidente do Supremo Tribunal Federal.

A força do conceito legal brasileiro de trabalho escravo, construído a duras custas até chegar à formulação moderna do artigo 149 do Código Penal, internacionalmente reconhecida, é de concentrar a caracterização do trabalho escravo na negação da dignidade da pessoa do trabalhador ou da trabalhadora, fazendo dela uma “coisa”, fosse ela presa ou não. É por demais evidente que a única e exclusiva preocupação do Ministro do Trabalho nesta suja empreitada é oferecer a um certo empresariado descompromissado com a trabalho decente um salvo-conduto para lucrar sem limite.

 16 de outubro de 2017

Portaria MTB Nº 1129 de 13/10/2017 
 https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=351466


Comissão Pastoral da Terra - Campanha Nacional de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo “De Olho Aberto para não Virar Escravo”
Comissão Episcopal Pastoral Especial de Enfrentamento ao Tráfico Humano da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)
Mais informações:
Frei Xavier Plassat: (63) 99221-9957
Francisco Alan Santos: (86) 99558-4711 

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Mapa colaborativo identifica casos de contaminação por agrotóxicos no Paraná

Estado é o terceiro maior consumidor de venenos agrícolas do país


Brasil de Fato | Lapa (PR)
,
"Quem mora perto de grandes plantações sabe que o som de uma avião sobrevoando baixo é sinal de veneno que vai chegar. Os casos de contaminação por causa da pulverização aérea de agrotóxicos são mais comuns do que se imagina, apesar de serem pouco denunciados.
Por essa razão, um coletivo de entidades e de organizações que estudam os impactos dos agrotóxicos construiu um mapa colaborativo para identificar a ocorrência desse tipo de situação no Paraná. No país, o estado é o 3º com maior consumo de agrotóxicos, segundo dados da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).
O mapa impresso foi construído com a ajuda dos participantes da 16ª Jornada de Agroecologia, realizada na cidade da Lapa (PR), entre quarta-feira e sábado. As pessoas marcam no mapa os pontos onde ocorreram as contaminações, e preenchem um formulário com mais informações. Mais de 60 casos foram identificados durante a Jornada, como explica o estudante de Geografia Daniel de Oliveira, que ajudou a pensar a ferramenta: "Um dos casos muito recorrentes é a perda de árvores frutíferas como o mamão. O chuchu tem se mostrado um grande indicador de contaminação também. Outros elementos como morte de animais silvestres, como Lontras e capivaras, também já apareceram".
O agricultor Lucas Carvalho ajudou a identificar no mapa uma área que está sendo contaminada pela empresa Nortox, empresa que produz herbicidas e outros agrotóxicos, no distrito de Aricanduva, na cidade de Arapongas, no norte do Paraná. A empresa está localizada em uma área de manancial, que abastece as cidades da região."Tem casos de contaminação do lençol freático e da população local", conta. 
Os dados coletados no mapa vão ajudar na construção de uma denúncia que vai ser encaminhada ao Ministério Público do Paraná. Em breve, o mapa também poderá ser alimentado durante todo o ano, por um sistema que ainda vai ser desenvolvido pelo coletivo.
Debates
Os dados trazidos pelo mapa foram apresentados no seminário 'Contra os agrotóxicos e pela vida no campo e na cidade', realizado na sexta-feira (22), durante a 16ª Jornada de Agroecologia do Paraná. Durante a atividade, as pessoas destacaram a necessidade de refletir sobre alguns aspectos que estão relacionados aos casos registrados no estado.
Advogada popular da organização Terra de Direitos, Naiara Bittencourt avalia que a contaminação por agrotóxicos é uma das táticas utilizadas pelo agronegócio para esgotar os recursos naturais de áreas que poderiam ser usadas por indígenas, povos e comunidades tradicionais e expulsar essas populações. Afinal, como lembra ela, essas substâncias surgiram durante a Primeira Guerra Mundial, para serem usadas como armas químicas. "Os conflitos no campo tem armas mais veladas. E agrotóxico é uma forma de minar essa população", argumenta. 
Caso semelhante ocorre na comunidade quilombola Invernada Paiol de Telha, na cidade de Reserva do Iguaçu (PR). Moradores do local denunciaram a órgãos ambientais - como a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) - a contaminação de agrotóxicos no território quilombola. Fazendeiros que estão em posse da terra fazem a pulverização desses venenos nas áreas próximas às casas dos moradores e às nascentes de água da comunidade.
"A questão dos agrotóxicos no Brasil é uma questão de terra, é uma disputa agrária. Superar a contaminação é também avançar na distribuição de terras no Brasil", avalia a advogada popular.
Durante o seminário, o promotor de Justiça do Núcleo de Meio Ambiente do Ministério Público do Paraná, Alexandre Gaio, reforçou a necessidade de notificar os órgãos ambientais dos casos de contaminação no estado. Denúncias devem ser encaminhadas para secretarias municipais de meio ambiente, Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Polícia Militar Ambiental e órgãos como o Ibama (nos casos que envolvem áreas federais). O Ministério Público também pode ser notificado, para garantir que as instituições façam a avaliação dos casos e tomem providências para solucionar os problemas.
O promotor reforça a necessidade de a população acompanhar o andamento dessas denúncias, para garantir que sejam encaminhadas de forma efetiva. "O poder público é muito omisso em cumprir esse papel. É preciso um controle social para denunciar, acompanhar e exigir devolutivas", afirma."
postado originalmente em: https://www.brasildefato.com.br/2017/09/23/mapa-colaborativo-identifica-casos-de-contaminacao-por-agrotoxicos-no-parana/

Uso de agrotóxico no Paraná aumentou malformação de bebês, indica pesquisa


Uma pesquisa divulgada no artigo “Associação entre malformações congênitas e a utilização de agrotóxicos em monoculturas do Paraná, Brasil”,  Lidiane Dutra e Aldo Pacheco Ferreira, pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp)/Fiocruz, trouxeram evidências de que o uso indiscriminado de agrotóxicos pode estar ligado ao aumento da malformação congênita de bebês, além de outros problemas como abortos espontâneos. Em outra pesquisa, problemas causados em adultos.


 O  estudo analisou a associação entre o uso de agrotóxicos e as malformações congênitas (malformação durante a gestação) em municípios com maior exposição aos agrotóxicos no estado do Paraná, entre 1994 e 2014. Os dados comparativos usaram informações dos nascidos vivos (Sinasc/Ministério da Saúde), elaborando-se taxas de malformações ocorridas de 1994 a 2003 e de 2004 a 2014. “Este é um sistema de informação de base populacional que agrega os registros contidos na declaração de nascidos vivos, o que permite diversas análises na área de saúde materno-infantil”, afirmam em artigo científico.

Os pesquisadores relatam que foi encontrada uma tendência crescente nas taxas de malformação congênita no estado do Paraná, com destaque aos municípios de Francisco Beltrão e Cascavel. “Essas malformações congênitas podem ser advindas da exposição da população a agrotóxicos, sendo uma sinalização expressiva nos problemas de saúde pública”.

Em entrevista, a pesquisadora Lidiane Dutra, afirmou que ficou impressionada com a quantidade de agrotóxicos utilizados na região. “Por mais que soubesse ou suspeitasse de um alto uso de agrotóxicos pelo estado, verificar os dados acerca das toneladas de litros aplicados na região foi assustador. Quando se pensa que o estudo contabilizou apenas uma parte dos produtos utilizados, que existem subnotificações das vendas e que há tráfico destas substâncias, principalmente pelas fronteiras do Paraguai, a sensação é ainda mais aterrorizante”, disse.


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

“POR DIREITOS E DEMOCRACIA, A LUTA É TODO DIA!”



“Neste ano, Grito dos Excluídos tem como tema ‘Por direito e democracia: a vida é todo dia’" /FOTO: Franciele Petry Schramm/ FONTE: Brasil de Fato, 2017.

Para a maioria dos brasileiros o dia 7 de setembro é sinônimo de descanso, porém, para outros, significa luta e resistência. A 23ª edição do Grito dos Excluídos deste ano de 2017 possui como lema “Por Direitos e Democracia a luta é todo dia”. Em várias cidades de diversos estados brasileiros, milhares de pessoas participaram do ato. No Paraná, cidades como Curitiba, Londrina e Cascavel também se mobilizaram.
Em Curitiba, cerca de 500 pessoas foram às ruas do bairro Vila Torres, com a bandeira do Brasil (tachada em cima com a inscrição “Todo poder ao povo”) e a de movimentos sociais do campo e da cidade. A concentração e saída foi em frente à Paróquia São João Batista e em seguida os manifestantes caminharam pelas do bairro e finalizaram em uma praça aos fundos do Jardim Botânico.
            O Grito é organizado por setores da Igreja Católica e movimentos sociais, tendo por objetivo denunciar o descontentamento do povo com a retirada de direitos básicos, mostrando que o povo não está apático perante os pacotes de medidas impostos pelo governo golpista de Michel Temer, como a Reforma Trabalhista e a Reforma da Previdência.
As atividades do Grito trazem consigo denúncias sobre a situação caótica pela qual alguns municípios estão passando, principalmente, após a Emenda Constitucional 95 que congela os gastos da saúde e educação. Dessa forma, a 23ª edição foi marcada pela manifestação contra os retrocessos que vêm sendo provocados por um governo que não possui nenhum compromisso com o pacto social. Dentre estes retrocessos, destaca-se a volta do país ao mapa da fome e as violências e criminalizações contra a população em situação de rua e os povos da terra (indígenas, quilombolas, camponeses). Todas essas lutas por terra e território foram denunciadas durante o Grito.
            Em entrevista para ao Brasil de Fato, o manifestante Bonfim diz que “Os estudos apontam que o Brasil já voltou para o mapa da fome, neste momento tem 14 milhões de desempregados. Nesse sentido, é com tristeza que nós estamos realizando este Grito dos Excluídos. Mas, ao mesmo tempo com esperança, porque nós estamos organizando os movimentos populares, fazendo um trabalho de base para que a gente possa fazer essa denúncia, desse ajuste fiscal, desse ataque aos direitos e ataque em todos os âmbitos, do governo federal”. 
Além disso, lembrando o respeito a diversidade, o Grito também se manifesta contra a homofobia e o machismo, os quais se encontram enraizados ao conservadorismo presente na sociedade brasileira. Isto, por sua vez, acaba sendo o responsável pela morte de jovens brasileiros, principalmente homossexuais e mulheres, que em sua maioria são pobres e negros.
            O Grito ainda denuncia o descaso com a saúde, educação, saneamento básico, reforma agrária: violações do Estado que aumentam a exclusão e favorecem os ricos. Além disso, os participantes manifestam-se gritando “FORA TEMER” em busca da liberdade e democracia, protestando contra o governo golpista que, articulado à mídia manipuladora da Rede Globo, ‘comemorou’ um ano de golpe no dia 31 de agosto de 2017.
Em nota oficial no Facebook, a Secretaria Nacional do/a Grito dos/as Excluídos/as, manifestou com contentamento que “o Grito dos/as Excluídos/as veio para dizer que o povo tem voz. E que voz! Que os ecos desses gritos possam ser escutados ao longo de muito tempo, que possam ecoar em alto volume para que nunca se esqueçam que nós, povo, temos poder. Temos as ruas! Que não deixem o Estado dormir em seu silêncio cúmplice e confortável enquanto milhares estão tendo sua dignidade ferida”.
Representantes do Projeto de Extensão Feira Agroecológica da Universidade Estadual do Centro Oeste – UNICENTRO/Campus Irati, estiveram presentes na marcha do Grito dos/as Excluídos/as em Curitiba. Neste sentido, cabe apontar que a Agroecologia contrapõe a lógica da exploração e dos monocultivos do agronegócio, bem como é uma ferramenta popular na luta pela terra, regida pelos camponeses que resistem ao longo da história.



Mística final do 23º Grito dos Excluídos em Curitiba/Foto: Franciele Petry Schramm/ FONTE: Brasil de Fato, 2017.


            Assim, com esperança em um país melhor, a 23ª edição do Grito dos/as Excluídos/as marcou o Dia da Independência com gritos de milhares de brasileiros indignados com os retrocessos do governo golpista. Entretanto, é necessário lembrar que a caminhada não termina ao fim do dia, mas que como o lema diz, a luta é todo dia.

REFERÊNCIAS:
https://www.brasildefato.com.br/2017/09/07/em-curitiba-independencia-do-pais-e-questionada-no-23o-grito-dos-excluidos/

Caroline Cordeiro Santos (Coletivo do Projeto Feira Agroecológica da UNICENTRO/campus de Irati)